A resistência à fadiga do material do tubo de aço sem costura da Shandong Derunying é extremamente sensível a vários fatores externos e internos, em que os fatores externos incluem forma, tamanho, suavidade da superfície e condição de serviço ou semelhante das peças, e fatores internos incluem composição, textura, pureza, tensão residual e assim por diante do próprio material. Mudanças sutis desses fatores causarão flutuações ou mesmo diferenças significativas no desempenho de fadiga do material.

A influência dos fatores na resistência à fadiga é um aspecto importante da pesquisa da fadiga. Esta pesquisa será útil no projeto de estruturas de peças apropriadas, na seleção de materiais corretos para tubos de aço sem costura e na formulação de várias técnicas racionais de processamento a frio e a quente, garantindo assim o alto desempenho de fadiga das peças.

1. A influência da concentração de estresse
Convencionalmente, a resistência à fadiga é obtida através da medição usando uma amostra lisa elaborada. No entanto, entalhes diferentes, como degraus, rasgos de chaveta, roscas e orifícios de óleo, etc., existem inevitavelmente nas peças mecânicas reais. A existência desses entalhes resulta na concentração de tensões, o que torna a tensão real máxima na raiz do entalhe muito maior do que a tensão nominal suportada pela peça e, muitas vezes, inicia a falha por fadiga da peça.

Coeficiente de concentração de tensão teórica Kt: uma relação entre a tensão real máxima e a tensão nominal na raiz do entalhe obtido de acordo com a teoria elástica em condições elásticas ideais.

Coeficiente de concentração de tensão efetiva (ou coeficiente de concentração de tensão de fadiga) Kf: uma razão entre o limite de fadiga σ-1 de uma amostra lisa e o limite de fadiga σ-1n de uma amostra de entalhe.
O coeficiente de concentração de tensão eficaz é influenciado não apenas pelo tamanho e forma do componente, mas também pelas propriedades físicas do material, processamento, tratamento térmico e outros fatores.

O coeficiente de concentração de tensão efetiva aumenta com a nitidez do entalhe, mas geralmente é menor do que o coeficiente de concentração de tensão teórico.
Coeficiente de sensibilidade do entalhe de fadiga q: o coeficiente de sensibilidade do entalhe de fadiga indica a sensibilidade do material ao entalhe de fadiga e é calculado pela seguinte fórmula.
O intervalo de dados de q é 0-1 e, quanto menor for q, menos sensível é o material do tubo de aço sem costura ao entalhe. Experimentos mostram que q não é puramente uma constante material, e ainda está relacionado ao tamanho do entalhe; q é basicamente não relacionado ao entalhe apenas quando o raio do entalhe é maior que um certo valor, o valor do raio sendo diferente para diferentes materiais ou status de processamento.

2. A influência do tamanho
Devido à heterogeneidade da textura e aos defeitos internos do material, o aumento no tamanho aumentará a probabilidade de falha do material, reduzindo assim o limite de fadiga do material. A existência do efeito do tamanho é uma questão importante na aplicação dos dados de fadiga obtidos por meio da medição da pequena amostra no laboratório à parte do tamanho real. É impossível representar completa e similarmente a concentração de tensões, o gradiente de tensões ou algo semelhante na parte do tamanho real, então os resultados de laboratório e a falha por fadiga de algumas partes específicas são desconectados uns dos outros.

3. A influência do estado de processamento de superfície
Sempre existem marcas de usinagem irregulares na superfície usinada. Essas marcas são equivalentes a pequenos entalhes que causam concentração de tensões na superfície do material e reduzem a resistência à fadiga do material. Os testes mostram que, para aço e ligas de alumínio, o limite de fadiga da usinagem de desbaste (torneamento em desbaste) é inferior ao do polimento fino longitudinal em 10% -20% ou mais. Quanto maior for a resistência do material, mais sensível ele será à lisura da superfície.


Horário da postagem: agosto-06-2020